Propaganda topo

Crítica: Caixa de Pássaros (Bird Box)

Sandra Bullock protagoniza um conto de terror sobre uma praga de suicídios em massa que varre o mundo. Efetivamente assustador, mas nunca perde de vista a humanidade de seus personagens.



O Terror e a Humanidade

O filme começa com um close extremo de Sandra Bullock. Ela interpreta Malorie: Tensa, séria e mortalmente racional, ela grita instruções para duas crianças pequenas que aborda apenas como "Garota" e "Garoto". Os três estão prestes a embarcar em uma jornada que é muito perigosa, então Malorie diz que as crianças devem permanecer em silêncio. E ainda mais importante, eles nunca podem remover suas vendas.
Quem não ficaria intrigado? É melancólico e desesperador. Nós nos perguntamos como Malorie chegou aqui e para onde ela está indo. E há uma questão ainda maior: o que exatamente está acontecendo no mundo?

Em "Bird Box", Malorie (Sandra Bullock) tenta manter um jovem (Julian Edwards) em segurança. (Foto: Saeed Adyani / Netflix) 



A diretora Susanne Bier não perde tempo dando algumas respostas. O filme volta cinco anos no tempo. Malorie está grávida e sua irmã (Sarah Paulson) a acompanha para o hospital. Há uma conversa de fundo na TV sobre suicídios em massa na Europa e na Rússia, mas as mulheres obviamente têm assuntos mais urgentes, como a ambivalência de Malorie sobre a maternidade.
O bebê que Malorie carrega é saudável e tudo parece bem. Enquanto caminha pelo corredor do hospital para sair, no entanto, ouve uma batida que gradualmente se torna mais alta. Ela finalmente vê a fonte: uma mulher fica na frente de uma janela, batendo a cabeça incansavelmente contra o vidro.
Aqueles suicídios em massa no exterior? Sim, eles se espalharam nos Estados Unidos. E neste momento, estamos apenas a 15 minutos do filme.


Greg (BD Wong, à esquerda) e Douglas devem evitar olhar para fora em "Bird Box". (Foto: Netflix) 

Bier ("After the Wedding", "The Night Manager", da TV) não é lembrada exatamente quando você pensa em filmes de terror acelerados, mas ela lida com o material com a mão esticada. Os personagens são cuidadosamente desenhados e não se sentem como meros peões sendo movidos através da ação. E Bier sabe como criar visuais assustadoramente apavorantes. As duas irmãs fogem pela cidade enquanto o caos se espalha rapidamente em torno do veículo. É emocionante e aterrorizante ao mesmo tempo.

Malorie acaba encontrando refúgio dentro de uma casa abastada com seu dono (BD Wong) e um grupo de sobreviventes. Entre eles, um vizinho impetuoso (John Malkovich), um funcionário de um mercado (Lil Rel Howery) que é fã de ficção científica e Olympia (Danielle Macdonald), uma mulher grávida otimista e passional, que é o oposto da personalidade de Malorie.

Olympia (Danielle Macdonald) encontra-se vivendo com outras pessoas que sobreviveram a um evento apocalíptico em "Bird Box". (Foto: Netflix)

Na casa, as janelas estão cobertas para que você não possa espiar. O grupo aprendeu que, ao olhar para fora, você fica infectado depois de vislumbrar, seja lá o que for que está causando os suicídios. Os espectadores nunca vêem quem ou o que são e sua presença é representada por rajadas de vento e sombras (se você viu "O Vigilante na Floresta" de 1980, a técnica será familiar). Nós também nunca aprendemos o que está causando isso, o que lembra a ambiguidade de "The Birds", de Alfred Hitchcock.

"The Birds" também invoca a sensação de claustrofobia dentro da casa e pelos estranhos efeitos sonoros do lado de fora. No interior, no entanto, é uma história diferente. Às vezes, existem alguns debates entre os sobreviventes, como - deixamos entrar novas pessoas? Quanto tempo durará a nossa comida? - Pra quem já assistiu tantas temporadas de "The Walking Dead", estamos em casa. Mas os personagens fortes e o elo simpático impedem que as coisas se tornem excessivamente derivadas.

Em "Bird Box", um relacionamento se desenvolve entre Tom (Trevante Rhodes) e Malorie (Sandra Bullock). (Foto: Merrick Morton / Netflix) 


O roteiro de Eric Heisserer ("A Chegada", "Quando as Luzes se Apagam") efetivamente salta para frente e para trás no tempo, entre a jornada de Malorie com os jovens e sua vida como parte dessa casa improvisada. Também evita a desolação inerente ao enredo; enquanto tanto o roteiro quanto a direção são tensos e sombrios, o filme não parece desesperador ou extremamente assustador.
Grande parte disso também se deve ao desempenho de Bullock, como uma mulher durona que tem dificuldade em confiar em pessoas. Ela é jogada em situações que essa característica pode ser essencial para sua sobrevivência - ou mortal. Ela é ótima e acrescenta uma gravitas calorosa que realmente ancora o filme. "Bird Box" é assustador, mas também é muito humano.

NOTA: 7/10

Postar um comentário

0 Comentários