Propaganda topo

Câmara de Jaboatão aprova CPI para investigar a gestão do prefeito Anderson Ferreira

CPI instigará suspeitas de superfaturamento  no aluguel do centro administrativo, e outros contratos

Prefeito Anderson Ferreira. Foto: divulgação

Foi lido na sessão ordinária desta terça-feira (19/02), na Câmara Municipal de Jaboatão, a criação de o requerimento que cria a Comissão Parlamentar de Inquérito, pára investigar suspeitas de superfaturamento em contratos e no aluguel do centro administrativo da prefeitura, que também é alvo de várias denúncias no TCE e no MPPE.

O Tribunal de Contas de Pernambuco, provocado através das denúncias orientou que a gestão do prefeito Anderson Ferreira (PR), entrasse em acordo com o proprietário e baixasse o valor do aluguel do imóvel.

Os vereadores da oposição conseguiram colocar na ordem do dia o requerimento de abertura da CPI, que deverá causar desgaste na gestão Ferreira. 

Após a leitura do requerimento que foi feito na noite de hoje e aprovado pelos vereadores, os próximos passos para a instauração da CPI, é a indicação dos componentes, relator, presidente e o vogal da comissão.

Vereador da oposição Daniel Alves (PCdoB). Foto: reprodução
"Hoje com a leitura desse requerimento da CPI, temos mais uma coisa para defender nosso direito de ser vereador em Jaboatão, era isso que faltava e assim foi feito, agora cumpra-se os restantes dos procedimentos" destacou o vereador oposicionista Daniel Alves.

Segundo o regimento interno da Câmara, a CPI terá 30 dias com possível prorrogação de mais 10, submetidos a apreciação do plenários da Câmara, para concluir os trabalhos e apresentar o relatório final.

Art. 33 - § 1º - Para a conclusão de seus trabalhos, com apresentação de parecer sobre a procedência ou improcedência das denúncias, as Comissões de Inquérito terão o prazo de trinta (30) dias, prorrogável por mais de dez (10) dias, quando solicitado e aprovado pelo Plenário.

O prefeito Anderson Ferreira que não contava com essa dor de cabeça, terá que enfrentar a oposição e explicar os contratos sob suspeitas dos parlamentares.

Postar um comentário

1 Comentários