Propaganda topo

Michel Temer é preso pela Lava Jato, entenda o caso

Polícia Federal deteve o ex-presidente da República como parte da operação Radioatividade, da Lava Jato, em São Paulo.

O ex-presidente Michel Temer.  REUTERS

El País - O ex-presidente da República Michel Temer foi preso pela Operação Lava Jatona manhã desta quinta-feira, 21 de março. O mandado de prisão foi expedido pelo juiz Marcelo Bretas, responsável pela operação na 7ª Vara pelo Rio de Janeiro, e também tem como alvo o ex-ministro Moreira Franco. O ex-presidente estava em São Paulo, quando foi detido. A prisão tem relação com a operação Radioatividade, um desmembramento da Lava Jato, que apura o pagamento de propina a dirigentes da Eletronuclear desde 2015. Michel Temer já havia sido denunciado em dezembro na Lava Jato, em um processo que corria no Supremo Tribunal Federal (STF), por lavagem de dinheiro e corrupção ativa e passiva em um caso envolvendo o setor portuário de Santos. Ao deixar a Presidência, em janeiro deste ano, Temer perdeu o direito ao foro privilegiado e seus processos foram remetidos para a primeira instância. O ex-presidente tem ao menos outras cinco investigações abertas.

Em nota, o MDB, o partido do ex-presidente Temer, disse que a Justiça Federal foi apressada na prisão dele e negou que ele tenha cometido crimes. Eis a íntegra: "O MDB lamenta a postura açodada da Justiça à revelia do andamento de um inquérito em que foi demonstrado que não há irregularidade por parte do ex-presidente da República, Michel Temer e do ex-ministro Moreira Franco. O MDB espera que a Justiça restabeleça as liberdades individuais, a presunção de inocência, o direito ao contraditório e o direito de defesa."

Reação do mercado. A Bolsa de Valores de São Paulo ampliou a queda após a notícia da prisão do ex-presidente Michel Temer. Às 11h50, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, recuava 1,77%, a 96.305 pontos, enquanto o dólar comercial avançava 1,0%, cotado a 3,80 reais.

Para o economista André Perfeito, da corretora Necton, a prisão do ex-presidente Michel Temer joga gasolina nas tensões entre a classe política e as forças da Lava Jato e "pode tornar mais complexo o acerto por reformas".  "Nesta quarta-feira o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, já havia feito críticas ao ministro da Justiça Sergio Moro num gesto que pode ser lido como parte deste xadrez entre legislativo e judiciário", diz o economista. Ainda na avaliação de Perfeito, outros nomes de peso devem ser presos ou pressionados em breve ao que tudo indica.

Postar um comentário

0 Comentários