Propaganda topo

10 ações para ajudar no cuidado de pessoas com depressão

Segundo dados de 2019 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), mais de 11 milhões de pessoas sofrem com depressão no Brasil.
Essa doença que afeta principalmente a saúde mental, também é uma das causas de aproximadamente 11 mil suicídios registrados por ano no país.
Seus principais sintomas incluem: angústia constante, diminuição da libido, desesperança, dificuldades de concentração, falta de interesse em atividades que antes traziam a sensação de prazer, irritabilidade, baixa autoestima, insônia, pessimismo, desânimo, ansiedade, perda de apetite ou aumento da fome, medo, e nos casos mais graves, perda da vontade de viver.
Queixas constantes sobre doenças ou dores, bem como indisposição, são outros sinais que merecem atenção.
Em tais circunstâncias, a depressão pode ser desafiadora não apenas para quem sofre diretamente com ela, mas também para quem convive com pessoas depressivas: é comum ouvir lamentações, reclamações, conversas repetidas sobre assuntos desagradáveis, ataques verbais, previsões negativas, inferiorização de si mesmo, etc.
Quem cuida de alguém com depressão pode se sentir desamparado por não saber como agir e assim como o outro, precisar de ajuda psicológica.
Se você se encontra nesta situação, confira algumas dicas de como lidar com pessoas em estado depressivo:

1- Respeite a doença e não julgue

A sociedade atual ainda carrega grande preconceito em relação ao tema. Por isso, muitas das pessoas que passam por tal problema resistem em dizer o que sentem e até tentam esconder seus sintomas. Busque entender a situação como um distúrbio grave, que precisa de tratamento.

2- Ofereça suporte emocional

Passar por uma depressão sozinho (a) é uma tarefa árdua, portanto, todo o apoio que puder ser dado é essencial. Seja solidário (a), mantenha sua mente aberta e coloque-se à disposição para ouvir o que machuca a pessoa em questão, escute suas preocupações e torne-se um exemplo de positividade para ela. Transmitir carinho é fundamental nesse processo de recuperação. NUNCA reforce suas tristezas ou minimize o caso.
Traga sua atenção para os sucessos que obteve e deixe claro o quanto está amparado(a) pelas pessoas que o(a) redeiam. De maneira geral, depressivos precisam de ajuda para perceber isto, pois estão presos a uma visão distorcida da realidade.
Proponha sempre atividades e conversas que despertem bons sentimentos, especialmente em horários nos quais a pessoa mais costuma sentir-se deprimida.

3- Não estimule a dependência

Indivíduos deprimidos sentem-se sem energia para realizar as tarefas mais básicas. Ainda assim, perceba que ele não está completamente incapacitado. Se você for ajudá-lo em tudo, certamente vai gerar uma dependência e agravar o quadro de depressão, pois dará motivos para que ele alimente a ideia da sua própria incompetência. A ajuda aqui deve ser no sentido de motivá-lo a sair da inércia.

4- Incentive o tratamento com um profissional

Insista no fato de que a depressão é uma doença que tem tratamento e que pode ser superada.
Entretanto, o esforço para saída da depressão necessita de acompanhamento especializado. Esse auxílio é prestado por um psiquiatra que vai avaliar a necessidade de uso de medicamentos para tratar os sintomas, e por outro profissional que vai realizar o trabalho de terapia, investigando a causa psíquica da doença para eliminá-la, como por exemplo um psicanalista ou psicólogo.
Caso haja resistência ou insegurança, disponha-se a acompanhá-lo (a) às consultas.

5- Não permita a interrupção das medicações

O estado pessimista no qual pacientes com depressão se apresentam, tende a fazê-los sabotar o tratamento. Eles podem querer interromper o uso das medicações alegando efeitos colaterais ou ineficiência. Esteja atento (a) e não permita essa interrupção sem antes consultar o(a) médico(a) que as receitaram.

6- Desencoraje o consumo de álcool e drogas

Essas substâncias podem ser vistas como pontos de fuga para quem tem depressão. Porém, se utilizadas, pioram o estado de quem as consome, uma vez que têm efeitos depressores. Além disso, quando misturadas com medicações podem ativar fortes efeitos colaterias ou cortar seu efeito.

7- Sugira a prática de esportes

Atividades físicas são grandes aliadas no combate à depressão, pois melhoram o humor, a qualidade de vida e consequentemente a saúde mental. Estimule sua prática, e, em tempos de coronavírus, seja uma companhia na prática dentro de casa ou em locais abertos mantendo o afastamento de outras pessoas para evitar aglomerações.

8- Afaste sentimentos de culpa e vergonha

Após algumas crises, o sujeito pode sentir-se culpado ou envergonhado de determinadas atitudes. Lembre a ele que estes são sintomas da doença e não desvios de caráter.

9- Não ignore comentários suicidas

De acordo com o psiquiatra Dr. Luiz Scocca, metade das pessoas que tentam suicídio realmente conseguem e 35% dos que não conseguem, tentam novamente dentro de um ano.
Se alguém com depressão comentou com você sobre a possibilidade de se suicidar, converse com ela e estimule a procurar um profissional de saúde mental o quanto antes.
Caso já esteja se tratando, comunique ao profissional responsável.
Mantenha a atenção constante sobre a pessoa e afaste-a de tudo que possa ser usado para atentar contra a própria vida (pesticidas, armas, medicamentos, janelas em andares altos).
O contato também é primordial. Procure saber o que ela está passando e o que está fazendo. Evite dar broncas e não banalize suas intenções.
Em casos de ideação suicida, algumas instituições podem ser úteis:
Serviços de saúde gratuitos:
CAPS e Unidades Básicas de Saúde (Saúde da família, Postos e Centros de Saúde).
CVV (Centro de Valorização da Vida):
Por meio do telefone 188, pode-se conseguir apoio emocional a pessoas que querem e precisam conversar, sob sigilo absoluto. As ligações são gratuitas em todo o Brasil e podem ser feitas em qualquer horário, todos os dias.
Emergência:
SAMU 192, UPA, Pronto Socorro e Hospitais.

10- Saiba reconhecer quando também precisar de apoio psicológico

A sobrecarga em quem cuida de pessoas doentes é intensa. Reconheça suas limitações e busque ajuda profissional também para lidar com a pressão psicológica que possa estar sofrendo. Quando ficamos mentalmente doentes, torna-se inviável nos dedicarmos a alguém em condições semelhantes ou mais agudas. Pense nisso!
Instagram: @nepozianopsic
Facebook: /nepozianopsic
Twitter: @nepozianopsic
Deixe seu comentário abaixo sobre este artigo ou entre em contato comigo pelo WhatsApp para agendar sua primeira entrevista gratuita (online durante o período de quarentena).

Postar um comentário

0 Comentários